terça-feira, 14 de junho de 2011

Erva daninha

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Erba cattiva 

Existem no ar
Impurezas maléficas
Provenientes da proliferação
De cortantes palavras
Que semeiam discórdias
No meio mortal.
Navegando em ondas negras
Apagando as luzes dos sonhos
Que brilham no peito
Do réu.
Ó mundo insolente
Onde há tanta gente
Que são plantas do mal
E os que cultivam o verde
Contaminam-se
Ou são atingidos
Pois respirar é preciso
Mesmo que doloroso
Porem estes serão colhidos
Um dia,
E aqueles serão
O alimento dos porcos.
(Do fundo dos meus olhos. Hipolito Perone, 2003.)

Um comentário:

  1. HIPOLITO PERONE,
    Parabens pela iniciativa. Agora voce vai ficar eterno.
    Quando leio seu poema, lembro do famoso BEATO José de Anchieta, que é lembrado a todo momento. Nas escolas de todo o pais é estudado.
    é estudado pelo simples fato de que um dia registrou seus poemas e assim ficou para a eternidade.
    Do seu titio Ismael Jose da Costa, direto de Marataizes, Espirito Santo, Brasil.

    ResponderExcluir