quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O relógio do mundo

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui: 
L’orologio del mondo

Tic tac
E outra vida se foi
Por culpa do homem
Que não encontra mais tempo
No munda da pressa
Para salvar uma vida

Tic Tac
Era uma avó
Que tinha um filho
Que hoje sente a falta dela
Mas que um dia não se importou
Com os prantos da mãe

Tic tac
E ou vida se foi
Porque alguém andava veloz
E nem olhou para trás,
Estava com pressa,
O homem chorava ao chao
O homem morria
Se lembrava dos seus pequeninos
Que em casa esperavam seus beijos
Aquele homem não voltou a casa

Tic tac
O mundo continua
Não para ele
Que tira sua vida
Em seu quarto
Era alguém normal,
Como tantos outros normais
Que perderam o trabalho,
E se encontrou
Diante ao abismo
Dos gastos necessários
À sua sobrevivência
Onde o sistema nao funciona
Igual para todos

Tic tac
A moça não está mais aqui
Tentou fazer sua vida
Seguindo os sonhos
Criados pela televisão
Cirurgias estéticas
Amantes famosos
Telejornais
Fotos sospeitas
Encontrada no hotel
Sem vida
Assassinada? Ainda não se sabe
Vamos esperar o telejornal
Era uma menina
Que sonhava uma vez
Hoje vitima e banquete da mídia

Tic tac
Pobre menino
Que ficou no carro
Debaixo do sol ardente
O papai não voltou
Alguns dizem
Efeito do stress
Eu, isso, chamo omicídio

Tic tac
Tem um cachorro que grita
Vai de lá e de cá
E pessoas que riem
E dão chutes
No pobre animal
Ele se dizem homens
Para mim, são vermes

Tic tac
O mundo continua
Aquilo que acontece
Se repetirá
Depende porém
Daquilos que ensinamos
Aos nossos filhos

Tic tac...

Wagney Hipolito 07/08/2013


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Amor vivaz


Quisera eu poder agora
Tornar aos tempos de outrora
Onde eu não era solitario
E tinha os beijos de tua boca

A minha pele te reclama
Meus pensamentos me consolam
Meu corpo todo por ti brama
E já nao contam mais as horas

Para te ter em meus abraços
Afagando os teus cabelos
Mostrando todo o amor
Que por ti queima em meu peito

A luz se apaga em meu quarto
A escuridão nao me apavora
Tenho as lembranças de outrora
E um futuro adiante.
Wagney Hipolito, 05/08/2013

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O ar do amor

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
L'aria dell'amore

Se eu tivesse medo de te amar
Por pensar que um dia poderias ir embora
Ou porque poderias me ferir
Então não seria amar
Se eu tivesse medo de te amar
Por não querer renunciar
À minha liberdade
Então eu seria somente um egoísta
Que ainda não entendeu nada sobre o amor.
Porque o medo existe somente
Quando se espera algo em troca
E se teme quando isso não acontece.
Um dia eu vi uma árvore numa montanha
E fiquei lá a observá-la
Tudo a atacava fortemente
O vento, a chuva, o sol
Não há ninguém para cuidar dela
Isso, porém, não a impede de produzir
Mas é a natureza dela! Pode dizer alguém
Sim, é verdade
Mas o amor também faz parte da natureza do homem!
E por que não conseguimos agir como essa árvore?
Amar mesmo no sofrimento, na dor,
Amar mesmo que recusados, mesmo que distantes
E não podemos estar pertos
Mesmo que machucados
E, principalmente,
Amar mesmo que jamais entendamos quem amamos
Ou se jamais sejamos entendidos.
Descobri, assim, que te amo
E que não quero nada em troca
Porque já sou feliz
Descobri que te amando
Estou melhor que antes
Sem ti
Voltarei à vida de outrora
Mas ainda te amarei
Porque depois que o amor começa a jorrar
Não o podemos mais parar
Se a pessoa amada não está perto
O amor não poderá ser versato
Mesmo que continue a jorrar.
De qualquer forma
O amor não pode se tornar um fardo
Para nenhuma das duas partes
O amor une
Sem correntes
Funde um ao outro
Sem tirar ou cobrir
A personalidade
As diferenças são adicionadas
Para completar um ao outro,
Como a árvore e o mundo,
Não para dividí-los.
Eu te amo e respiro,
Eu sei que respiro e te amo!
Wagney Hipólito 01/08/2013

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Descoberta

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui: 
La scoperta

(entre o novo e o velho mundo)

Pensei que já havia provado tudo
Em relaçao ao amor
Que todo o meu sentimento vivido
Fosse o máximo alcançável
Na verdade, hoje, somente hoje
Eu sei
Que nao muito eu sabia
Sobre esse sentimento
Era tudo teoria
Conjecturas
Era talvez uma dedicaçao
Da minha parte
Era, talvez, somente uma escolha
Um investimento
Que frutos bons me trouxe
Junto, porém, a muitas dores
Dores essas que me envelheceram
E me trouxeram conhecimento
Hoje,
Somente hoje posso entender
O que por mim passou
As dores que senti
O universo em que vivi
Era como uma escola,
Um curso
Que eu deveria frequentar
Só o futuro pode nos trazer respostas
Hoje presencio um amor diferente
Um amor que nao exige de mim esforços
Um amor sem cobranças
Um amor que nao me fere
Nao me despedaça
Nao me destrói
Um amor que me completa,
Que me preenche
Que nao me amedronta
E que me dá, sim, coragem
Para prosseguir
E fazer planos para mim e ti.
Hoje, somente hoje
Pude ter o prazer de ter a felicidade
Como companheira constante
Pode ser que tudo acabe
De repente
Somos humanos
Mas uma cicatriz
Permanecerá aos olhos de todos:
Um sorriso feliz estampado em meu rosto
Simbolizando as marcas
Da nossa felicidade.

Wagney Hipolito 25/06/2013

Nosso encontro

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Nostro incontro

Sinto o vento que acaricia
O meu rosto
Vento de outono
Vento do amor
Um vento que liga
Passado, presente e futuro
Num coração que já chorou
A distância de ti.
Numa mente que teve sonhos contigo
Que nunca terminaram
E que alimentavam em mim
A esperança
De poder sentir-te próxima a mim.
Um beijo seria querer muito.
Um abraço talvez impossível.
A visão do teu coração
Cada vez mais se distanciava
E fazia de mim
Um vazio constante.
Incerto...
Triste...
Incompleto...
Era esse o meu passado,
Onde não quero mais morar.
Hoje vejo um futuro
Onde o amor jorra em meu peito
Constantemente
Num mundo onde tu és
O meu Sol
A iluminar-me
Revigorando-me as forças
Que perdi pelo caminho
Não imagino mais um abraço teu
Não imagino mais teus beijos
Pois tenho a certeza, posso sentir
Que eles estarão sempre comigo
E jamais cessarão
O teu coração?
Ah, esse eu já tenho comigo
Estamos no tempo presente
Que durará eternamente.

Wagney Hipolito 12/06/2013

quarta-feira, 29 de maio de 2013

O teu arrependimento e a realidade

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:

O teu tempo passou
E come le se foi a chance
De tudo ser diferente
Não se pode mais voltar atrás
Não se trata mais de querer
O teu tempo se foi
Tempo em que podias ter sorrido, e não o fizeste
Em que podias realmente ter vivido,
E não simplesmente ter passado
Ao meu lado, não foi essa tua escolha.
Somos todos inocentes
Ou somos todos culpados?
A resposta agora é sem valor.
Pois o teu tempo se foi
E já não existe mais
É doloroso olhar para trás
Eu bem sei
Mas aquele tempo não voltará
Entre nós
Aquele tempo se foi
Sim, se foi
Mas muito nos pode ensinar
Para o tempo de hoje, de amanhã
Onde pisar, o que escolher
O que fazer, o que dar valor.
Foi tudo uma preparação para o futuro.
Pode-se escolher seguir as trilhas
Ou ficar como antes, imutável
Algo porém resta agora invariável
Nossas vidas não caminharão mais juntas
Aquele tempo se foi
Declarações, hoje,
Ou demonstrações de sentimentos vários,
São como a resposta que não há mais valor,
Lágrimas não trazem de volta o leite derramado.
Nem tudo foi lindo para se manter na mente.
Nem tudo foi dor para se viver em mágoas.
Foi uma história
Que não se pode apagar
Onde o amor e o respeito esvairam-se
E que foi abatida
Com um ponto final.
Wagney Hipolito 29/05/2013



quinta-feira, 16 de maio de 2013

Brotos de Amor

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Germogli d'amore

Sou
Todo sentimento,
Todo amor.
Amor que vem de dentro
Do coração
E circula pelas veias
Do meu corpo;
Que consegue atraversar
A pele
E ir além
E transformar-se em luz
E atingir a todos
Que ao meu redor
Estão.
Não posso negar
A felicidade a mim mesmo.
Não posso negar
A felicidade em mim,
Nem este amor
Que me jorra no peito,
Que brota em meu corpo.
Não me envergonho
De observar uma flor
Ou uma paisagem
Pela estrada,
Sentir o som dos passarinhos
Que cantam felizes
Ou tristes, não sei.
Não me deixo vagar por estradas
A recolher migalhas de desilusões.
Sou um colecionador de emoções,
Que encontro muitas vezes em coisas
Pequenas e simples.
Disseram-me que isso é bobagem,
Coisa de criança.
Penso que é impossível
Não conhecer o amor!
Talvez estes preferem ser terrenos inférteis!
Ide,pois, vós que pensais assim,
Ficarei por aqui,
No mundo que me faz feliz!
Wagney Hipólito 16/05/2013

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Amar e-ter-na alma

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Amare 

Um dia ouvi
Que solidão nao é estar só
E, sim, vazio
Através de ti
Constatei a veracidade disso
Sinto fraco o meu peito
Não ouço as batidas
O ar pouco me vem
A mente cansada
Ainda reflete a tua imagem
Meu corpo gelado
Sente a tua falta.
Estou sumindo a cada minuto.
E tu vives
Parece que não te importas.

Só uma decisão me resta.

Com uma faca na mão
E os olhos inchados de tanto chorar
Corto o pedaço do meu coração
Onde gravado está o teu nome
Ele sangra, mas é preciso seguir
Seguir as gaivotas até outras terras
E tu ainda me persegues
Na memória

Tenho medo.

Tenho medo de que ela
Escreva novamente o teu nome
Em meu coração.
Não aguentaria outro corte.
Abstenho-me de tudo
O que me faz lembrar de ti
Tudo em vão.
Vejo-te no sol, na lua, nas flores,
Nas músicas que ouço
E nos sonhos que tenho.
Continuo sumindo.
Preciso ser forte para me afastar de ti
Mesmo que a morte seja a consequência.
E, se isso ocorrer,
Sei que nos derradeiros minutos
Da minha sofrida vida
Estarei pronunciando o teu nome
Revivendo as boas lembranças
E agradecendo a Deus
Por ter te amado sempre.
(Do fundo dos meus olhos. Hipolito Perone, 2003.Revisitada)