quarta-feira, 29 de maio de 2013

O teu arrependimento e a realidade

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:

O teu tempo passou
E come le se foi a chance
De tudo ser diferente
Não se pode mais voltar atrás
Não se trata mais de querer
O teu tempo se foi
Tempo em que podias ter sorrido, e não o fizeste
Em que podias realmente ter vivido,
E não simplesmente ter passado
Ao meu lado, não foi essa tua escolha.
Somos todos inocentes
Ou somos todos culpados?
A resposta agora é sem valor.
Pois o teu tempo se foi
E já não existe mais
É doloroso olhar para trás
Eu bem sei
Mas aquele tempo não voltará
Entre nós
Aquele tempo se foi
Sim, se foi
Mas muito nos pode ensinar
Para o tempo de hoje, de amanhã
Onde pisar, o que escolher
O que fazer, o que dar valor.
Foi tudo uma preparação para o futuro.
Pode-se escolher seguir as trilhas
Ou ficar como antes, imutável
Algo porém resta agora invariável
Nossas vidas não caminharão mais juntas
Aquele tempo se foi
Declarações, hoje,
Ou demonstrações de sentimentos vários,
São como a resposta que não há mais valor,
Lágrimas não trazem de volta o leite derramado.
Nem tudo foi lindo para se manter na mente.
Nem tudo foi dor para se viver em mágoas.
Foi uma história
Que não se pode apagar
Onde o amor e o respeito esvairam-se
E que foi abatida
Com um ponto final.
Wagney Hipolito 29/05/2013



quinta-feira, 16 de maio de 2013

Brotos de Amor

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Germogli d'amore

Sou
Todo sentimento,
Todo amor.
Amor que vem de dentro
Do coração
E circula pelas veias
Do meu corpo;
Que consegue atraversar
A pele
E ir além
E transformar-se em luz
E atingir a todos
Que ao meu redor
Estão.
Não posso negar
A felicidade a mim mesmo.
Não posso negar
A felicidade em mim,
Nem este amor
Que me jorra no peito,
Que brota em meu corpo.
Não me envergonho
De observar uma flor
Ou uma paisagem
Pela estrada,
Sentir o som dos passarinhos
Que cantam felizes
Ou tristes, não sei.
Não me deixo vagar por estradas
A recolher migalhas de desilusões.
Sou um colecionador de emoções,
Que encontro muitas vezes em coisas
Pequenas e simples.
Disseram-me que isso é bobagem,
Coisa de criança.
Penso que é impossível
Não conhecer o amor!
Talvez estes preferem ser terrenos inférteis!
Ide,pois, vós que pensais assim,
Ficarei por aqui,
No mundo que me faz feliz!
Wagney Hipólito 16/05/2013

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Amar e-ter-na alma

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Amare 

Um dia ouvi
Que solidão nao é estar só
E, sim, vazio
Através de ti
Constatei a veracidade disso
Sinto fraco o meu peito
Não ouço as batidas
O ar pouco me vem
A mente cansada
Ainda reflete a tua imagem
Meu corpo gelado
Sente a tua falta.
Estou sumindo a cada minuto.
E tu vives
Parece que não te importas.

Só uma decisão me resta.

Com uma faca na mão
E os olhos inchados de tanto chorar
Corto o pedaço do meu coração
Onde gravado está o teu nome
Ele sangra, mas é preciso seguir
Seguir as gaivotas até outras terras
E tu ainda me persegues
Na memória

Tenho medo.

Tenho medo de que ela
Escreva novamente o teu nome
Em meu coração.
Não aguentaria outro corte.
Abstenho-me de tudo
O que me faz lembrar de ti
Tudo em vão.
Vejo-te no sol, na lua, nas flores,
Nas músicas que ouço
E nos sonhos que tenho.
Continuo sumindo.
Preciso ser forte para me afastar de ti
Mesmo que a morte seja a consequência.
E, se isso ocorrer,
Sei que nos derradeiros minutos
Da minha sofrida vida
Estarei pronunciando o teu nome
Revivendo as boas lembranças
E agradecendo a Deus
Por ter te amado sempre.
(Do fundo dos meus olhos. Hipolito Perone, 2003.Revisitada)