sábado, 28 de março de 2015

Soneto do amor distante

Per la lettura in lingua italiana, clicca qui:
Sonetto dell'amor lontano

Do vento frio que hoje o meu corpo assopra
O qual a tua ausência faz sofrer pois tanto
Sinto teu perfume que meu coração toca
Sinto as minhas lágrimas se tornarem em pranto.

Quero ir devagar pelas estradas escuras
Quero ficar longe do barulho humano
Tudo sem você alguma cor não há
Dia cinza e escuro quando o sol não está

Nunca foi tão duro estar sem ti amor
É como uma tempestade que não vai passar
É como uma sede quando água não há

Vejo tudo em vão, pois sem ti é dor
Eu devo viver, mas nada há mais sentido
Então te imploro, amor, vem estar comigo!


Wagney Hipolito 26.03.2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário