terça-feira, 10 de março de 2015

Soneto do reencontro

Das doces lembranças dos ventos de outrora
Tu és enfim presente , ó minha Senhora
Fiel companheira e do meu ser amante
Brilho do meu dia, meu Sol radiante.

Em tantos caminhos passei sem teus beijos
Ver-te ou tocar-te, eram meus desejos
Refém do silêncio, idênticas vidas
Lembrança e saudade, as nossas amigas.

Quinquênios amargos de pura saudade
Do sabor de um dia, um amor de verdade
Ao som de uivantes ventos de outono,

Pérolas foram de um distante passado
Em ambos o amor  jamais fora anulado
Somos nós passado, presente e futuro.

Wagney Hipolito 10/03/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário